Faça seu agendamento: (51) 3222-5410 | 3314-8555 | 3314-8556

Image
Design Sem Nome   2021 01 27T083329.992

HPV: como podemos prevenir a IST mais comum atualmente? Há riscos de causar infertilidade?

O papiloma vírus humano (HPV) é a Infecção Sexualmente Transmissível (IST) mais comum atualmente. Existem diversas variações deste vírus, sendo que cerca de 40 tipos podem afetar o trato ano-genital. Alguns são de baixo risco e causam lesões que se manifestam em formas de verruga na área genital (vulva, vagina e região anal). Outros são de alto risco e podem ocasionar o câncer de colo uterino.

 

Por ser uma IST altamente contagiosa, sem um método de prevenção 100% seguro, é importante sempre realizar os exames preventivos. O preservativo é fundamental, mas não elimina por completo o risco de transmissão, pois o vírus também pode ser transmitido pelo contato da pele com a área genital, mas continua sendo a forma mais eficaz de prevenir, assim como outras infecções.

 

As consultas regulares ao ginecologista, com a coleta do exame preventivo do colo uterino, também são essenciais, pois esse tipo de câncer apresenta grandes taxas de cura quando detectado precocemente. Existe, também, a vacina para alguns tipos, direcionada ao público jovem, de 9 a 26 anos, que é oferecida pelo SUS e protege contra os 4 tipos mais comuns do vírus em nosso país. 

 

Em relação à fertilidade, a proteção contra todas as ISTs é importante, pois algumas delas estão associadas com processos inflamatórios pélvicos, como a clamídia. Para os futuros papais, a infecção do HPV pode reduzir a qualidade do sêmen, pois há diminuição na mobilidade dos espermatozoides devido à presença de anticorpos da doença no sêmen. No caso das futuras mães, os efeitos da fertilidade são controversos. Porém, a infecção está associada a menores taxas de gestação e maior risco de aborto. Sugere-se que haja maior taxa de fragmentação (perda da integridade) das células dos embriões, mas isso ainda precisa de estudos. 

 

Um estudo realizado na Dinamarca e publicado em 2019, na Fertility Sterility, avaliou 11088 mulheres entre 20 e 29 anos, verificando que a infecção pelo HPV não apresentou relação com a infertilidade feminina. Os dados ainda são incipientes. Prevenir é o melhor remédio, mas sempre busque tratamento e faça seus exames periodicamente, certo?